segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Terapia de ervas para a cura do câncer

Ocultam-nos o remédio natural contra o câncer e a AIDS, entre outras doenças?Este artigo sobre determinadas plantas, é muito interessante e se for verdade, seria a maior descoberta da humanidade em muitos séculos.Vale a pena ler.Do site http://www.formarse .com.ar/investig acion/essiac_ cura_para_ el_%20cancer. htm.:. .:. .:. ESSIAC: CURA NATURAL PARA O CÂNCER?ENTREVISTA COM O DOUTOR GARY L. GLUMPor Elizabeth RobinsonIntroduçãoRené Caisse foi uma enfermeira canadense que por um período de quase sessenta anos tratou centenas de pessoas com um remédio de ervas a que chamou Essiac (seu apelido, ao contrário). No hospital em que trabalhava, descobriu este medicamento através de uma paciente que tinha sido curada de câncer.A paciente tinha utilizado um remédio de ervas que lhe tinha oferecido um fitólogo da tribo ojibway.René abandonou o hospital em 1922, com 33 anos e foi para Bracebridge, em Ontário, Canadá, onde começou a administrar o Essiac a todo aquele que a procurasse. A maioria dos pacientes que tratou traziam como referência cartas em que seus médicos certificavam que padeciam de alguma forma de câncer incurável ou terminal, e que tinham sido desenganados pela medicina.René se dedicou a conseguir as plantas e a preparar o remédio de ervas em sua própria cozinha, em um edifício que adaptou para seus pacientes. Administrava o Essiac tanto por via oral como em injecções. Nos casos em que havia uma lesão grave nos órgãos vitais, seus pacientes morreram - mas sua vida se prolongou mais do que os médicos tinham previsto e, mais significativo, viveram sem dor. Inclusive alguns, declarados como terminais ou desenganados, mas sem danos graves nos órgãos vitais, se curaram e viveram 35 ou 45 anos mais (alguns ainda estão vivos).Tão impressionante foi a eficiência deste simples remédio de ervas, que não podia ser ignorado, e o Ministério de Saúde e Bem-estar Canadense e o Parlamento se envolveram no assunto. Amigos, antigos pacientes e famílias agradecidas solicitaram autorização governamental para que René Caisse pudesse administrar livremente o medicamento a qualquer que o solicitasse, sem intervenção das autoridades. Cinquenta e cinco mil assinaturas encheram a petição. Em 1938, o Essiac esteve a três votos de ser legalizado pelo governo de Ontário como um medicamento para pacientes de câncer terminal.A história de René Caisse, sua vida, seu trabalho e a eficiência do medicamento a que chamou Essiac, é contada no livro que recebeu o Sun Bear "LA LLAMADA DE UN ÁNGEL" (O Apelo de um Anjo) do DR. GARY L. GLUM, de Los Angeles CA. Depois de ler o livro e de considerá-lo muito informativo, bem documentado e comovente, decidi entrevistar o Dr. Glum. Verifiquei a informação básica do livro através de fontes canadenses, uma delas um botânico que sabia do trabalho de René Caisse e que tinha pessoalmente utilizado o Essiac com êxito. Depois de terminar minha segunda conversa com o Dr. Glum me disse: "Você está abrindo uma caixa de Pandora ao publicar esta entrevista acerca do Essiac". Ainda que não estivesse de acordo, fiquei pensando sobre esta "caixa de Pandora" que como é bem conhecido, no mito de Pandora, é mandada pelos deuses como uma maldição para a humanidade, que os tinha ofendido.Os deuses entregaram a Pandora uma caixa com instruções de não a abrir, deliberadamente sabendo que iria desobedecer. Quando Pandora efectivamente abre a caixa, fome, guerra, pragas, doença - todos os males da humanidade - saem de dentro dela. Logo, no final, saiu a esperança, como antídoto para o desespero.Mas de acordo com a Enciclopédia de Barbar Walker, Pandora - cujo nome significa a "doadora de tudo" - era originalmente uma imagem da Mãe Terra. Ela tinha não uma caixa, mas um pote de mel como uma cornucópia da abundância, do qual fluía toda a vida e a criação, assim como a morte e a ressurreição - os donos da Terra para seus filhos. Visto que somos seres naturais em um mundo natural, parece apropriado que um simples remédio, composto por quatro ervas comuns, dons da Terra, possam parecer tão promissoras hoje em dia.ENTREVISTA COM O DR. GLUMElisabeth Robinson = Para começar, Dr. Glum, pode contar-nos um pouco de como se começou a interessar pela história que conta do apelo de um anjo e como obteve informações de René Caisse e seu trabalho?.Dr. Gary Glum = Um amigo meu próximo conhecia uma mulher, cujo nome prometi não revelar, que vivia em Detroit, Michigan. Vinte anos atrás tinham-lhe diagnosticado câncer cervical em um hospital de Detroit, e tinham-no classificado como incurável e terminal. Tinham-lhe dado cerca dez dias de vida.Convenci seu marido a fazer uma viagem a Bracebrige, Canadá, e foi ver René Caisse. Foi tratada com o remédio de ervas desenvolvido por René - Essiac - e em pouco tempo já não tinha nenhuma célula cancerosa em seu corpo. Desde então esta mulher dedicou sua vida a espalhar informações sobre o Essiac nos Estados Unidos. Quando a conheci, era a única pessoa possuidora da fórmula original que estava disposta a fornecê-la. Consegui a fórmula do Essiac através dela.Assim começou tudo. No principio, tudo o que tinha era um pedaço de papel. Pensei: "que vou fazer com isto?". Decidi que o melhor era buscar informações ocultas sobre o Essiac, pô-las em um livro e dá-las a conhecer ao mundo.Consegui informações sobre René Caisse através de Mary McPherson, que era uma amiga muito próxima de René... não só uma amiga, mas também sua paciente. A mãe de Mary e seu marido também foram seus pacientes. Todos foram tratados de câncer e curados por René.Mary trabalhou com René no princípio da década dos trinta e tinha em seu poder muitos documentos relativos ao Essiac, durante os 40 anos que René o administrou. Todos os documentos que René tinha, foram destruídos pelo Ministério Canadense de Saúde e Bem-estar, quando ela morreu em 1978. Queimaram todas as informações em tambores de 55 galões por detrás de sua casa.E.R.= Porquê?G.G.= Porque não querem que estas informações cheguem às mãos do público, da imprensa ou de nenhuma outra pessoa. Eles já tinham descoberto o que era o Essiac em 1937. As reuniões da Real Comissão do Câncer tinham chegado às mesmas conclusões que René - que o Essiac era uma cura para o Câncer.E.R.= O que é exactamente o Essiac?G.G.= Essiac é uma cura de ervas para o câncer, não tóxica, que tem estado connosco desde 1922. é uma fórmula feita com quatro ervas muito comuns.Ocultou-se a informação porque o câncer é o segundo negócio mais produtivo do mundo, depois da petroquímica. o dinheiro e o poder calaram a verdade.Ninguém nunca pretendeu curar o câncer - somente controlá-lo. Os institutos de Investigação, as companhias farmacêuticas, todos os que manifestaram interesse no câncer, incluindo a Sociedade Americana de Câncer, a Sociedade Canadense de Câncer, todos os autoproclamados benfeitores daqueles que contraíram a doença - todas estas instituições estão envolvidas no uso do dinheiro e poder que rodeiam o câncer.Estas instituições têm influência sobre o governo e suas agências reguladoras tais como a Administração de Drogas e Alimentos (F.D.A.). A F.D.A. recomenda somente tratamentos alopatas para o câncer e outras enfermidades potencialmente mortais. não aprova nem legaliza tratamentos alternativos de nenhum tipo.E.R.= O que diz é que o Essiac está em uma posição similar a, por exemplo, o medicamento laetril. G.G.= Sim, e a única razão pela qual detiveram o laetril - não poderia ter sido parado de nenhuma outra maneira - foi através das companhias de seguros. As companhias de seguros mandaram uma circular a todos os médicos alopatas afirmando que não poderiam segurar pacientes com substâncias não aprovadas pela F.D.A.E.R.= Em seu livro menciona que a Clínica Brusch, de Massachusetts trabalhou com René Caisse. A Clínica continuou fazendo investigações com o Essiac?G.G.= O Dr. Charles A. Brusch abandonou a prática. Ele foi o médico pessoal do presidente John F. Kennedy. o Dr. Brusch trabalhou com René de 1959 a 1962, trabalhou com milhares de pacientes com Câncer. Também trabalhou na Comissão Presidencial de Câncer, com gente como o Dr. Armand Hammer, com a Sociedade Americana de Câncer e o Instituto Nacional do Câncer.O Dr. Brusch apresentou suas descobertas depois de dez anos de investigações. Chegou à conclusão de que, em suas próprias palavras, "O Essiac é uma cura para o câncer, e ponto. Todos os estudos feitos em laboratórios nos Estados Unidos e no Canadá apoiam esta conclusão".Foi então que o governo federal estabeleceu uma ordem peremptória dizendo: "Tem uma de duas opções: ou cala a boca ou o colocaremos em uma prisão militar e ninguém voltará a ouvir falar de você". Assim é que não voltamos a ouvi-lo.Os pacientes de Brusch que tomaram Essiac incluíam o filho de Edward Kennedy que tinha desenvolvido sarcoma em uma perna e tinham-na amputado. o Dr. Farber não sabia como salvá-lo, pois nunca ninguém tinha sobrevivido a esse tipo de sarcoma. Assim é que foi falar com Brusch e lhe perguntou: "como vamos salvar o filho de Ted Kennedy?", e o Dr. Brusch sugeriu pô-lo em tratamento com o Essiac; depois de fazê-lo não voltou a ter uma célula cancerosa. Mas ocultaram toda esta informação ao público.E.R.= Porquê?G.G.= Como lhe digo: dinheiro e poder.E.R.= Sabe se este medicamento actualmente está em uso ou sob provas em alguma parte dos Estados Unidos, ou Canadá.G.G.= Neste momento, o Essiac está em uso nos Estados Unidos, no Canadá, no México, na Austrália, Europa, Ásia e recentemente, também na África. A mensagem do Essiac encontrou seu caminho em todo o mundo. Mas é conhecido só por grupos muito limitados.Mas além disso, também há o problema de as companhias distribuidoras de ervas em todo o mundo, que estão substituindo a acedrilla por lampazo amarelo e lampazo chinês e aquele é o ingrediente principal do Essiac.A acedrilla é o ingrediente de ervas do Essiac responsável pela destruição de células cancerosas, ou até de sua amalgama, voltando às células com metáteses no lugar do tumor original.Essa investigação foi realizada pelo Dr. Chester Stock em o Sloan-Kettering de Nova York durante mais de três anos. Mas uma vez reunida a informação, a ocultaram do público, se bem que a entregaram ao Ministério Canadense de Saúde e Bem-estar. O governo Canadense imediatamente proibiu a venda e distribuição da erva.E.R.= Proibir uma erva vulgar como a acedrilla?G.G.= Sim; a acedrilla é uma erva comum que cresce abundantemente em toda a América do Norte e Canadá. Tão comum como uma erva vulgar.(Nota: Depois de realizada esta entrevista, a revista Wildfire se inteirou, através de um botânico canadense, que seu governo tinha recentemente proibido a comercializaçã o da erva de São João, outra erva comum muito usada por fitólogos).E.R.= Bom, me parece que proibir a acedrilla não será uma medida eficaz se qualquer um mesmo pode identificar a erva.G.G.= Sim; é só questão de identificar a planta, colhê-la corretamente, deixá-la secar do modo correcto e depois misturá-la com as outras ervas.René colhia a acedrilla (Rumex acetosella) quando tinha de 4 a 6 polegadas de altura. Cortava-a, deixava-a crescer de novo e então cortava-a de novo. Repetia o processo umas três vezes e logo a deixava crescer para produzir sementes. Chegava a crescer de 14 a 16 polegadas.Levava os cortes da erva para casa e os deixava secar à temperatura ambiente; deixava os cortes repousar 3 ou 4 dias antes de começar a virá-los. Virava-os a cada dois dias até que estivessem totalmente secos, o que demorava entre 10 dias e duas semanas. Com um raminho de acedrilla conseguia uma onça de pó seco, que era o que usava na fórmula.E.R.= Você tem a fórmula? Não aparece em seu livro, ainda que mencione a existência de um vídeo.G.G.= Sim; tenho-a. E posso dá-la a qualquer um, sem nenhum custo. Já não vendemos o vídeo; simplesmente enviamos a fórmula por correio a quem a pedir.E.R.= Sun Bear me disse que teve problemas para publicar o livro e distribuí-lo. Que espécie de problemas?G.G.= Não havia nenhuma casa editorial que quisesse publicá-lo. Ninguém quis correr o risco de um processo de morte por negligência; assim é que tive que publicá-lo por meus próprios meios. E tão depressa como o fiz, me caiu em cima a Fazenda com uma cobrança de meio milhão de dólares em impostos e me disseram: "Isto não tem nada que ver com impostos; é por causa do câncer". De fato, levaram meus arquivos do meu consultório e os confiscaram. Também milhares de meus livros foram confiscados na alfândega pelo governo canadense; nunca me devolveram esses livros. Os únicos que me ficaram tenho-os escondidos em porões.E.R.= É incrível. A que atribui o interesse em manter esses livros fora de circulação?G.G.= Dinheiro e poder, como já lhe disse. o câncer é o segundo negócio mais produtivo do mundo, logo depois da petroquímica. No Canadá, o Ministério de Saúde e Bem-estar confisca o livro porque dizem que é muito "publicitário" .E.R.= Fazendo publicidade do quê? Do vídeo que já nem sequer vende?G.G.= Não, uma cura para o câncer.E.R.= Pode explicar um pouco mais sobre o medo que têm os editores de um processo de morte por negligência?G.G.= O que se trata é que estamos dando às pessoas uma fórmula que podem preparar e usar na privacidade de suas casas, sem a aprovação da A.M.A., da F.D.A. ou de ninguém mais. Se por qualquer razão, um advogado ou um membro da família, decidisse que a causa da morte de alguém foi o uso do Essiac, se lançaria de cabeça em um processo, dado que não é legal seu uso pois não foi aprovado pela F.D.A.Quando René Caisse solicitou permissão para testar o Essiac, lhe foi concedido tratar pacientes terminais de câncer que tivessem sido desenganados pelos médicos. Essa foi a primeira condição. Em segundo lugar, tudo deveria estar certificado por um relatório patológico. E terceiro, não poderia cobrar nada por seus serviços. Aceitou todas as condições e começou a tratar pacientes com Essiac. Muitos deles todavia assistiram ao seu funeral, 35 anos depois, quando, aos 90, morreu René.Como sabem, em 1937, o Essiac esteve a três votos de ser legalizado como um tratamento para o câncer.A população tinha colectado 55.000 assinaturas em uma petição para permitir a René continuar usando o Essiac. Anos depois descobriu que o único motivo por não ter ganhado a maioria foi uma reunião do Colégio de Médicos e Cirurgiões com o Parlamento, em que sustentaram: "Se não prestam atenção à pressão política e legalizam o Essiac, então revisaremos o assunto com seriedade e daremos a esta mulher uma oportunidade para escutá-la". Assim é que o Parlamento não legalizou o Essiac.Seguindo as recomendações da Real Comissão do Câncer, permitiram a René continuar sua prática, mas debaixo das condições antes mencionadas, o que permitiu ao Ministério de Saúde e Bem-estar restringir o acesso público ao tratamento do Essiac.Sei o que lhe estou dizendo porque tenho uma cópia das transcrições das audiências; deu-mas Mary McPherson e são parte da informação que não se queimou depois da morte de René.E.R.= Já o tinha mencionado. Que foi exactamente o que se queimou?G.G.= Todo o resultado de suas investigações de 40 anos. Todos os nomes, todo o historial clínico que tinha recolhido. Seus arquivos e discos.E.R.= E que aconteceu com os históricos da Clínica Brusch? Esses poderiam ser uma evidência convincente.G.G.= Até onde sei, todo esse material também foi destruído. Soube que René trabalhou com o Dr. Brusch de 1959 e 1962, assim é que fui à casa do Dr. Brusch em Cambridge, Massachusetts, e ali me entregou o único material que lhe tinha ficado de seus arquivos sobre o Essiac. Um deles era seu arquivo pessoal, pois tratou seu próprio câncer com Essiac. Eu tenho seus papéis.Toda informação de meu livro está corroborada com folhas de papel com datas e assinaturas, e essas folhas e assinaturas são originais; não são cópias.E.R.= Teve alguma experiência pessoal com o Essiac?G.G.= Sim, posso dar-lhe um exemplo. Toby Wood era um menino de 12 anos; tinha contraído linfoblastemia, que é uma das mais virulentas formas de leucemia. Tinha estado em quimioterapia por 4 anos e em radioterapia por 3.O único anseio na vida de sua mãe era encontrar uma cura. Foi a todos os lados; experimentou todos os tratamentos alternativos.Sua última parada foi com o Dr. Alvazados em Atenas, Grécia; a conta de células brancas do menino era de 186.000. Não tinha células vermelhas nem plaquetas; estava perdendo o sangue. Deram-lhe uma transfusão e o mandaram de regresso ao Alasca com uma esperança de vida menor que cinco dias.Conheci uma irmã da mãe em Los Angeles enquanto preparava meu livro, e ela me perguntou se poderia crer nisto. Tivemos uma conversa. Pediu dinheiro emprestado para voltar a Anchorage e levar uma garrafa de Essiac. Quando chegou, prognosticavam a Toby três dias mais de vida. Estava em um completo estado de deterioração. Tomou o Essiac e em 24 horas pararam as hemorragias. Depois de três meses, todos seus exames de sangue resultaram normais. Meses depois esteve no Alasca e o conheci.Toby finalmente morreu, e encontramos um patologista disposto a fazer-lhe uma autópsia exaustiva. Sabíamos que já não tinha leucemia; queríamos saber qual tinha sido a causa da morte. o relatório demorou 4 meses a chegar. O patologista tinha examinado todos seus órgãos vitais, cérebro, testículos e a medula espinal. não tinha blastemas nos órgãos vitais nem na medula espinal. Tinha algumas células errantes no cérebro e nos testículos. A causa da morte foi um dano ao miocárdio, efeito secundário da quimioterapia.Este foi o primeiro relatório existente na história médica de uma pessoa que tivesse sobrevivido à leucemia linfoblastémica. Entregamos essa informação às agências noticiosas AP (Associated Press) e UPI (United Press International) , mas disseram que não era uma noticia de impacto.Nossa informação sobre o Essiac deu a volta ao mundo duas vezes na revista Publisher's Weekly em um grande anúncio de duas páginas. Não recebemos resposta de nenhuma casa editorial em todo o mundo, nenhum produtor ou director dos Estados Unidos, nenhum programa televisivo de entrevistas, nada disso. Não temos acesso aos meios de comunicação.Então falamos com Philip Scheffler, produtor de 60 minutos. Leu o livro e lhe perguntamos que faria a respeito; disse que nada. Disse-lhe que toda informação do livro era verificável; que, em outras palavras, era verdade. Disse-lhe: "Então por que não nos exibem em 60 minutos, ao Essiac e a mim, como uma fraude?" Ele disse: "Não, não posso".Levamos o livro com Joe Donally, que é o produtor executivo dos noticiários de ABC em Nova York. Lhe dissemos: "Por que não o damos a Peter Jennings, Geraldo Rivea, Ted Koppel, ou um desses?" Disse que não.Perguntamos porque não; disse que porque as linhas telefónicas ficariam invadidas por 65.000 chamadas. Lhe dissemos: "Não acha que os pais de um menino que morre de leucemia se sentiriam identificados com essas 65 mil chamadas". Ele replicou que tem sua casa hipotecada e que deve pensar na sua aposentadoria.Esse é o problema. Ninguém quer que esta informação se divulgue. Não são só os meios de comunicação de massas. Isto inclui as companhias distribuidoras de ervas medicinais, que estão substituindo a acedrilla por lampazo chinês. A população recebe ingredientes errados para o Essiac, sem contar as 5 ou 6 fórmulas incorrectas que andam circulando por aí. Estão divulgando fórmulas falsas; existe toda uma campanha de desinformação.E.R.= Esta campanha de desinformação começou ao mesmo tempo que saiu o seu livro?G.G.= Antes do meu livro, esta informação não estava de nenhuma maneira ao alcance do público. não tinha mais informação que alguns artigos isolados. Evidentemente a fórmula não estava de nenhuma maneira ao alcance do público. Toda informação era retida pela Corporação Resperin de Toronto, Canadá, que se supõe que é uma instituição privada.Inclusive trabalhavam ombro a ombro com o Ministério Canadense de Saúde e Bem-estar, que colaborava directamente com a F.D.A. e com o Instituto Nacional do Câncer em Bethesda, Maryland. Resperin nunca entregou a ninguém a fórmula do Essiac.E.R.= A Corporação Resperin não fez nenhuma investigação com o Essiac?G.G.= Fizeram investigações desde 1978, quando René lhes deu a fórmula pelo preço irrisório de um dólar. Tão depressa como tiveram a fórmula, disseram a René que já não necessitavam dela. O Ministério de Saúde e a Corporação Resperin lhe tinham feito acreditar que ela dirigiria as investigações que tanto desejava estruturar.Mas René já tinha feito exames clínicos. Tinha nomes e históricos. Penso que a Corporação Resperin era politicamente poderosa e com o dinheiro necessário para fazer chegar o Essiac ao público sem lucrar com ele. Logo descobriu que a Corporação trabalhava estreitamente com o governo e o Ministerial de Saúde.Agora os pacientes com doenças terminais e desenganados tinham que passar por um labirinto de burocracia federal para conseguir o medicamento. Naquele momento, para a maioria das pessoas, era demasiado tarde. Mas inclusive quando as pessoas se curavam, a informação não chegava ao público.Resperin levou a cabo investigações com o Essiac. Uma das provas se realizou no Norte do Canadá e se falsificaram os resultados. Por exemplo, um homem que estava na lista de mortos, uns meses depois chegou a tocar à porta de René, para agradecer-lhe por ter feito parte do programa experimental. E estava listado como morto no relatório da investigação.E.R.= Me está começando a parecer assombroso que algo da informação tenha chegado a sobreviver a esta "conspiração do silêncio" e à destruição de relatórios.G.G.= O único meio pelo qual o Essiac se deu a conhecer foi de boca a boca e por ser o Essiac o que é. Sua eficiência é o que dará a conhecer o Essiac. Há muitos anos, René disse: "Se o Essiac não tem nenhum mérito, permitam-me oferecê-lo; se não tem mérito cairá por seu próprio peso".Evidentemente, ela bem sabia que se as pessoas recebessem as ervas correctas, o medicamento seria um êxito. E isso é o que tem sido o Essiac todos estes anos em que temos divulgado a informação.René também descobriu que o Essiac era um grande preventivo. Esta descoberta foi apoiada pelo Dr. Albert Schatz da Universidade Temple, que descobriu a cura para a tuberculose.René também descobriu que o Essiac podia normalizar a glândula tiróide. Minha esposa tomava 12 miligramas de tiróidina desde que terminou o primário. Quando a conheci, começou a tomar o Essiac e não voltou a tomar a tiróidina desde então.René também descobriu que o Essiac podia curar a úlcera estomacal em 3 ou 4 semanas. A ela lhe parecia que as úlceras eram precursoras de câncer. Sir Frederick Bating, o descobridor da insulina, queria trabalhar com René. Ela tinha históricos clínicos de pacientes insulino-dependente s, que tinham deixado de precisar da insulina graças ao Essiac, pois aparentemente interage com a insulina. Ao aparecer, o Essiac regula o pâncreas nos casos de diabetes mellitus. Os pacientes se libertaram da insulina.Outra coisa que descobri com o Essiac é que a minha saúde tem sido quase perfeita. Com a idade a gente pensa: "Bem, já não tenho quarenta, são coisas que acontecem". Não, não têm que acontecer. Desde que tomo Essiac tenho tido uma saúde quase perfeita, é assombroso. Durmo como um bebê, tenho muita energia e nenhuma doença, nem sequer gripe ou catarro.Também trabalhei com o Projecto AIDS de Los Angeles, nos distritos de San Pedro e Long Beach. Tinham desenganado 179 pacientes, mandando-os para suas casas. Todos tinham neumocistis carinii e histoplasmosis e tinham perdido uns 45 kg de peso. Sua contagem de células T-4 era inferior a dez. o projecto me forneceu 5 destes pacientes. Lhes tirei os tratamentos de AZT e DDI e lhes dei Essiac três vezes ao dia. São os únicos cinco que continuam vivos; os outros 174 morreram.E.R.= É incrível, mas que tipo de vida é a que têm?G.G.= Fazem exercícios três vezes ao dia, comem três vezes ao dia, recuperaram seu peso normal. Em outras palavras, nunca notaria que estiveram doentes na sua vida. Mas esta informação tampouco se divulga porque a AIDS se projecta como outro grande negócio. O director do projecto AIDS de Los Angeles ganha mais de 100 mil dólares por ano.Inclusive os profissionais da medicina alternativa estão aí para controlar, não para curar. A medicina alternativa é tão mercenária como a alopata. Ninguém quer uma cura para o câncer ou a AIDS.O Essiac tampouco tem lugar na medicina alternativa; eles também pensam no dinheiro. Estão realizando mentiras à humanidade só por dinheiro. Dinheiro e poder, é simples assim. Pensando bem, o único motivo por que não temos energia solar é porque ninguém encontrou a maneira de vender o sol. Se quisessem, teríamos energia solar; você sabe que sim.E.R.= Segundo sua experiência pessoal, este remédio de ervas serve para - vou citar suas palavras e dizer "curar" - câncer, problemas de tiróide, diabetes, AIDS, úlceras...G.G.= E também a gripe comum. O Essiac fortalece todo o sistema imunológico. Tomei uma onça por dia por sete anos, e em sete anos não tive uma gripe, catarro ou vírus.E.R.= E tudo graças a um simples remédio de ervas de tribos nativas?G.G.= Sim, apesar de que René incluiu algumas alterações. Acrescentou- lhe a raiz de ruibarbo turco (Rheum Palinatum). O ruibarbo turco tem mais de cinco mil anos de história. Na realidade passou da Índia para a China e de lá a trouxeram os ingleses.E.R.= Essa raiz turca definitivamente não é originaria deste país, nem se pode conseguí-la aqui. As ervas importadas são primeiro fumigadas e expostas à radiação. Lhe parece boa ideia usar ruibarbo turco?G.G.= Se pode substituir por raiz de ruibarbo comum. Os outros dois ingredientes são a raiz de lampazo (Arctium Lappa) e a casca do olmo americano (Ulmus Fulva). Ambos se obtêm facilmente. A acedrilla (Rumex Acetosella) é a que destrói as células cancerosas; as outras três são purificadores do sangue.O Essiac aumenta o nível de enzimas, que se destroem nos pacientes de câncer e AIDS. Eleva o nível enzimático e o hormonal, o que por sua vez eleva o sistema imunológico, pelo que o corpo pode curar-se sozinho.E.R.= E as doses? Algumas ervas são tóxicas.G.G.= Nem os seus mais encarniçados inimigos podem culpar o Essiac de efeitos colaterais; pode tomar Essiac com toda confiança até seis onças por dia, segundo amostras de todas as provas que se fizeram. Duas onças de manhã, duas onças ao meio-dia e duas onças à noite, o que é uma dose alta. René, com as ervas correctas, usava desde uma onça por semana.Mas captei as diferenças da sua época para a nossa. Sua comida não tinha cancerígenos, nem a água, nem o ar. Mas nós envenenamos o ar, a água e a comida.Em todo o país, há mais de 2.100 elementos químicos orgânicos e inorgânicos identificados na água potável e 156 deles são cancerígenos puros. Desses, 26 são desenvolvedores de tumores, assim que se tem um tumor, ele crescerá. Mas esta informação tampouco se divulga. Estas cifras são o resultado de provas da Agência Protectora do Meio Ambiente, e nunca foram distribuídas ao público. E.R. = Como conseguiu a informação?G.G.= Através da organização Ralph Nader, de Washington, D.C. Os meios de massa não divulgaram esta informação: Outro problema é que são muito poucas as pessoas que lêem livros e nossa esperança é que leiam "O Apelo de um Anjo". E além disso, o problema iminente é que as pessoas consigam ervas correctas.E.R.= Algo mais que queira acrescentar antes de terminar esta entrevista?G.G.= Gostaria de dizer que não levei a cabo toda esta investigação por sentir que tenha uma responsabilidade com meu próximo. Fi-la porque tenho uma responsabilidade comigo mesmo. Sei que fiz todo o possível para divulgar esta informação e pô-la ao alcance das pessoas.Eu fui a primeira pessoa a expor informações sobre o Essiac, sobre como prepará-lo; disse a todos "Vejam, aqui está; aqui está a fórmula e sua história". A história já anda por aí e vejam o que acontece, tratam de eliminá-la com uma campanha de desinformação. Isto incluiu Harvard, Temple, Tufts, a Universidade Northwestern, Chicago - todas estas instituições fizeram experiências com o Essiac, com os ingredientes correctos e chegaram à mesma conclusão que René Caisse. Mas sepultaram a informação.E.R.= Gary, foi muito interessante falar com você.G.G.= Foi um prazer. Mas ao publicar esta entrevista você vai abrir uma caixa de Pandora.E.R.= Creio que é você que o faz. Pode dizer às pessoas como conseguir seu livro e mais informações sobre o Essiac?G.G.= Só têm que chamar-me a Califórnia, no telefone 310-271-9931. O livro custa $35 dólares; a fórmula é grátis.O Dr. Gary L. Glum, até há dois anos, era um quiroprático com consultório em Los Angeles, Califórnia. Entre seus pacientes estavam afamadas equipes de atletas profissionais e equipes olímpicas.Em 1988, o Dr. Glum publicou o livro O Apelo de um Anjo, a história de René Caisse e do Essiac. Há dois anos abandonou a prática e agora dedica todo seu tempo a escrever sobre suas investigações.Em Julho de 1991, o Canadian Journal of Herbalism publicou um artigo "Antigas medicinas de Ontário", acerca do Essiac. Este artigo dá informações especificas dos ingredientes do Essiac e inclui uma descrição das ervas. A acedrilla, por exemplo, é um antigo remédio para tumores. O artigo também adverte sobre o alto conteúdo de ácido oxálico em duas das ervas, o que faz o medicamento inadequado para pessoas com transtornos renais ou artríticos.O artigo conclui: "O Essiac não é um engano ou uma fraude. Ouvir de viva voz dos pacientes suas experiências, convence qualquer observador das mudanças dramaticamente benéficas que ocorreram em muitos daqueles que tomaram o medicamento, ainda que não em todos. Apesar do enfoque do Essiac estar em ser um tratamento para o câncer, melhorou e em muitos casos curou muitas outras enfermidades degenerativas, porque limpa o sangue e o fígado e fortalece o sistema imunológico".Para maiores informações ou para obter uma cópia da edição de Julho, 1991, Vol. XII, No. III da Revista Canadiense de Herborismo, escreva para a:Asociación Herborista de Ontario M.J. Pimentel MH, 7 Alpine Ave, Toronto, Ontario, Canadá M6P 3R6.REDE DE SAÚDE MUNDIAL - AÇÃO PARA A UNIDADE MUNDIALCompartilha este documentoFÓRMULA DO DR. GLUMAdquira as ervas directamente do Dr. Gary L. Glum. Todas as ervas terão um nível medicinal, toda a acedrilla terá sido colectada pelo Dr. Glum. Envie seus pedidos ao Dr. Gary Glum P. O. Box 80098, Los Angeles, CA, 90080. Telefone (310) 271-9931.CUIDADO: não compre as ervas em companhias distribuidoras, a maioria são importadas, sem nível medicinal e não foram colhidas adequadamente. O governo impõe quarentena a todas as ervas importadas e os inspectores da F.D.A., com a pretensão de esterilizá-las (para eliminar salmonela e bactéria de Coli) expõem-nas à radiação esterilizando- as e lhes aplicam gás de óxido etílico para envenená-las. INSTRUMENTOS NECESSÁRIOS· Recipiente de 4 galões de aço inoxidável, com tampa.· Recipiente de 3 galões de aço inoxidável, com tampa.· Coador fino de aço inoxidável.· Funil de aço inoxidável.· Espátula de aço inoxidável.· 12 ou mais garrafas de 16 onças de vidro âmbar com tampas herméticas.· Xícara medidora.· Balança de cozinha com medidas em onças.INGREDIENTES SECOS (ERVAS)· 6 ½ xícaras de raiz de Lampazo (Arctium Lappa), cortada (Bardana).· 16 onças de Acedrilla (Rumex Acetosela), em pó.· 1 onça de raiz de Ruibarbo Turco (Rheum Palmatum), em pó (Ruibarbo palmato).· 4 onças de casca de Olmo Americano (Ulmus Fulva), em pó.INGREDIENTES LÍQUIDOS2 galões de água destilada livre de sódio.PREPARAÇÃO:1. Misture muito bem os ingredientes secos. (Coloque as ervas em um saco de plástico e agite vigorosamente) .2. Ponha a ferver a água destilada, livre de sódio em um recipiente de 4 galões com tampa. (Aproximadamente 30 minutos ao nível do mar).3. Deite dentro uma xícara de ingredientes secos (guarde as ervas que sobrarem em um lugar fresco e escuro; as ervas são sensíveis à luz). Tampe o recipiente e deixe-o ferver por mais 10 minutos.4. Apague o fogo. Raspe com a espátula as paredes internas do recipiente e misture perfeitamente. Volte a tampar.5. Deixe o recipiente em repouso por 12 horas, tampado; depois volte a acender o fogo em fogo alto, quase até ferver, por outros 20 minutos. (Não deve ferver).6. Apague o fogo. Despeje, através de um coador, no recipiente de 3 galões. Lave o de 4 galões e o coador. Volte a coar o líquido, para dentro do recipiente de 4 galões.7. Utilize um funil para deitar imediatamente o líquido quente nas garrafas esterilizadas; feche-as hermeticamente. Deixe esfriar as garrafas e reajuste as tampas herméticas.8. Refrigere as garrafas; a fórmula não contém conservantes.(Descarte as garrafas que criarem bolor).PRECAUÇÃO: Depois de usá-las, volte a esterilizar todas as garrafas e tampas se pretender voltar a utilizá-las para a fórmula. Lave e enxagúe profusamente todas as garrafas e tampas; pode limpá-las com uma solução de água oxigenada, quimicamente pura, a 3%, em água. Para preparar esta solução a 3% combine uma onça de 35% de água oxigenada quimicamente pura com 11 onças de água destilada livre de sódio. Deixe de molho por 5 minutos, enxagúe e deixe secar. (Se não conseguir peróxido de hidrogénio potável, utilize meia colherinha de cloro em um galão de água destilada),MODO DE USAR- Agite a garrafa. - Tome 4 colheradas (2 onças) da fórmula.- Tome 4 colheradas (2 onças) da fórmula duas vezes ao dia. Pode ser fria ou quente. De manhã, pode comer cinco minutos depois de tomar a fórmula- Tome antes de deitar-se, com o estômago vazio, pelo menos duas horas depois de ter comido. - Não aqueça em microondas.NOTA: Se tiver câncer de estômago, deve diluir a fórmula à metade, com água destilada livre de sódio.NOTAS DE TRADUÇÃO:Em diversas regiões, os nomes destas ervas podem variar:Rumex Acetosela = Sheep’s sorrel = acedrilla, acedra ou acetosa. Arctium Lappa = Burdock = lampazo, bardana ou lapaRheum Palmatum = Ruibarbo turcoNomes originais das plantas com tradução imprecisa: Lampazo amarillo = yellow dock = Bardana amarela. Lampazo chino = curly dock = Bardana chinesa ou encaracolada. Ulmus Fulva = Olmo americano = slippery elm.
.:.Por uma estranha força da natureza;todas as formas de vida unidas estão;assim, se prejudicardes uma flor;as próprias estrelas reclamarão..:.Pai Eterno, em tuas mãos entrego meu Espírito;Faz de mim instrumento da tua Obra; E que a minhavontade seja, Hoje e Sempre, a tua Vontade..:.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Postar um comentário